O Beija-Flor

Observo o beija-flor. Coloco sempre uma garrafinha com água e açúcar para eles. Tornou-se quase um compromisso, porque eles esperam encontrá-la todos os dias. E se não a encontram, ficam rodeando a janela não sei se impacientes ou perplexos.

Observo o beija-flor. Gosto de vê-los.

Cada beija-flor é O Beija-Flor em toda a sua beija-floridade, em todo o seu beija-florismo.

Ele não tem dúvidas. Ele não quer ser outra coisa. Ele nunca é mais nem menos do que ele mesmo. Não importa quantos nem o quão diferentes sejam: cada um é sempre O Beija-Flor sem nunca deixar de ser ele mesmo, o único beija-flor que existe, e que, portanto, carrega em si a responsabilidade de sustentar no ser a sua espécie: é daí que ele tira toda sua integridade, eis o que o torna magnifico.